||| ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA    SANTIAGO DO CACÉM

 
       ||| início

 

   

Manuel
da Fonseca


Fotografias
Clique para ver as imagens em tamanho grande


biografia



"O comboio matou o largo. Sob o rodado de ferro morreram homens que eu supunha eternos."
O Fogo e as Cinzas

"Horizonte todo de roda caiado de sol. Ao meio do cerro gretado esguia cabeça de cobra olha assobios de lume sobre espigas amarelas… (…Campaniços degredados na vastidão das searas sonham bilhas de água fria)."
Planície

"-Digam à minha neta! Digam-lhe que ela tem razão! Um homem só não vale nada! Ouve-se como que um gemido soltado por dezenas de bocas, e os camponeses atiram-se para diante."
Seara de Vento

"- Gente que se vê, que se ouve – continuava a mulher.
- Não são pensamentos, nem recordações. É gente viva."
Um Anjo no Trapézio

"Quero compor um poema onde fremente cante a vida das florestas, das águas e dos ventos. Que o meu canto seja no meio do temporal uma chicotada de vento que estremeça as estrelas, desfaça mitos e rasgue nevoeiros – escancarando sóis!"
Poemas Completos

"Pago o café e saio a grandes passadas.
Hoje e depois e todos os dias que vierem,
amo a vida mais e mais que aqueles que sabem que vão morrer amanhã!"

Rosa dos Ventos

 


 

 

 

 

 

 "Em Cerromaior nasci" "Depois, quando as forças deram para andar,
desci ao largo.
"

 


 Com 3 anos

 

 

 

        Fotos em criança

 

 

 

 

 


      Tempos de estudante

 

 

 

       

 

 


 

 

 

 

Em Lisboa, no inícios dos anos 30, quando foi campeão de boxe

Com os pais e o irmão, Artur.  

 

Nos finais dos anos 30 e princípios de 40, quando começa a vida de escritor, escrevendo poemas e crónicas para o jornal O Diabo, à mesa dos cafés Madrid e Portugal, no Rossio.


Na década de 40

    Com o filho, José Carlos, em 1941  

  


 Década de 50

Auto-retrato, 1959

Homenagem a Manuel da Fonseca na Casa do Alentejo, em Lisboa. Vêem-se, entre outros, o escritor ladeado por sua mãe e Ferreira de Castro, Alves Redol, Piteira Santos, Mário Soares e Rogério Paulo.

   

 

 

Manuel da Fonseca, nos anos 80. (Fotos de Rui Pacheco)

 


 Bairro Alto, Lisboa,em 1980
   

Festa do Avante, em 1980, em Lisboa, com o
jornalista Carlos Pinhão e Manuel Alpedrinha,
ex-preso político do Tarrafal.

Rua da Misericórdia, Santiago do Cacém, em 1981.(Foto de Rui Pacheco)

 


 
Artur da Fonseca (irmão), o escritor Luís Pacheco e Manuel da Fonseca, em 1981.


Rua Cipriano de Oliveira, Santiago do Cacém, em 1981. (Foto de Rui Pacheco)

 

Rossio da Senhora do Monte, Santiago do Cacém, em 1981. (Foto de Rui Pacheco)

 


 

Romeirinhas - Santiago do Cacém, em 1981.

 

Festa da Amizade, em Vale Verde - Santiago do Cacém, 1981.
(Fotos de Rui Pacheco)

Sociedade Harmonia, em Santiago do Cacém, em 1981, junto ao quadro pintado pelo seu pai.
(Foto de Rui Pacheco)

 

 


Com Assis Pacheco e Augusto Abelaira, em Beja, em 1982


Cerimónia da atribuição a Manuel da Fonseca, pelo Presidente da República Ramalho Eanes, da Comenda da Ordem Militar de Sant'Iago de Espada, em 1983. (Foto de Rui Pacheco)

 

Marcha pela Paz, em Lisboa, com José Saramago, Piteira Santos, Maria Rosa Colaço, José Cardoso Pires e Urbano Tavares Rodrigues, em 1983. (Foto de Rui Pacheco)

 


Num Colóquio, com Piteira Santos e Joaquim Namorado.


Nas ruínas romanas de Miróbriga, em Santiago do Cacém.

Casa do Alentejo, em Lisboa, com Urbano Tavares Rodrigues, em 1984. (Foto de Rui Pacheco)